Em 23 de março de 2013 fui vítima de uma violência sexual que me deixou marcas profundas. No vídeo-performance apareço em um banheiro com azulejos que lembram visualmente às obras de Adriana Varejão, uma importante influência estética para mim. Arranhando severamente meu corpo, debaixo de uma água escaldante que torna a pele frágil e sensível para as marcas que vão se tornando visíveis, na medida em que o gesto se repete. Depois do ocorrido, que hoje dá nome a este trabalho, notei que inconscientemente eu realizava essa ação no banho, no meu cotidiano. De me arranhar compulsivamente quando a água esta muito quente. Essa ação é um resquício daquela noite, passado o ocorrido, quando entrei no banheiro tentando tirar da pele o cheiro e o suor do meu agressor. É então no momento de privacidade e intimidade, trancafiada na caixa de azulejos, que eu revivi, e ainda revivo no corpo as marcas psicológicas que aquela noite deixou em mim.

23 de março de 2013

Vídeo-performance

2018

In March 23, 2013 I was the victim of sexual violence that left me deep marks. In the video-performance I appear in a bathroom with tiles that resemble visually the works of Adriana Varejão, an important aesthetic influence for me. Severely scratching my body, under a scorching water that makes the skin fragile and sensitive to the marks that are becoming visible, as the gesture repeats itself. After what happened, which today gives name to this work, I noticed that I unconsciously performed this action in the bath, in my daily life. From scratching me compulsively when the water is too hot. This action is a remnant of that night, past what happened, when I entered the bathroom trying to remove the smell and sweat of my aggressor. It is then in the moment of privacy and intimacy, locked in the box of tiles, which I revived, and I still relive in the body the psychological marks that night left on me.

March 23, 2013

Video performance

2018

 © Portfólio 2019 

 
VERÔNICA
VAZ