"Valências Físicas: A Flexibilidade", surge de um dado auto-biográfico, e tem o corpo e o desenho como matérias primas. Através de uma série de exercícios de alongamento, semelhantes aos executados em academias e aulas de dança, e usando uma malha bem fina e cor da pele, uma malha que não é adequada ao meu corpo de hoje, fora do padrão, fora das medidas, uma malha justa que torna evidente essas desmedidas - crio linhas, curvas e traçados com canetas coloridas sobre o corpo. O jogo entre flexibilidade e desenho revelam as possibilidades e limitações físicas. Essa performance surge de um fato de minha juventude. Hoje passado muitos anos trago essa bagagem afetiva que por um bom tempo se tornou também uma exigência pessoal de manter as “medidas perfeitas”. Na medida em que torno o corpo um local plástico, uma superfície maleável independente das limitações físicas que tenho hoje. E por meio do desenho e da valência física da flexibilidade, represento um corpo potente de significado e beleza, mesmo que não esteja mais dentro dos padrões que um dia ja estiveram. Sendo assim, todo corpo é uma superfície potente de expressão, independente de suas limitações, todo corpo carrega uma historicidade, por baixo ou por cima da pele. A flexibilidade sempre foi uma valência física na qual eu me destacava. Seja nos esportes ou na dança. Sempre fui uma mulher com corpo de porte atlético e preocupada com isso. Atualmente a minha condição física tem um certo limite, devido a um histórico de saúde, que venho tentando questionar e de certo modo resgatar e ressignificar aquele corpo atlético que tive antes em minha vida.

Valências Físicas: A Flexibilidade

Performance

2018

"Physical Valencies: Flexibility" comes from a self-biographical, and has the body and the drawing as raw materials. Through a series of stretching exercises, similar to those performed in gyms and dance classes, and using a fine mesh and skin color, a mesh that is not suitable for my body today, out of the standard, out of the measurements, a fair mesh that makes evident these excesses - I create lines, curves and strokes with colored pens on the body. The game between flexibility and design reveals the possibilities and physical limitations. This performance comes from a fact of my youth. Today, for many years now, I have brought this affective baggage which for a long time has also become a personal requirement to keep the "perfect measures". As I turn the body a plastic location, a malleable surface independent of the physical limitations I have today. And through the design and physical valence of flexibility, I represent a powerful body of meaning and beauty, even if it is no longer within the standards that once were. Thus, every body is a powerful surface of expression, regardless of its limitations, every body carries a historicity, underneath or over the skin. Flexibility has always been a physical valence in which I stood out. Be it in sports or dancing. I've always been a woman with athletic body and worried about it. Currently my physical condition has a certain limit, due to a health history, which I have been trying to question and to some extent rescue and re-signify that athletic body that I had before in my life.

Physical Valencies: Flexibility

Performance

2018

 © Portfólio 2019 

 
VERÔNICA
VAZ